Paróquia Nossa Senhora de Fátima – Manilha

“Cristo deve ser medida de nossa vida”, diz Papa a guardas suíços

Os novos recrutas da Guarda Suíça Pontifícia fizeram seu juramento na manhã desta sexta-feira, 6. Após a cerimônia, eles e seus familiares foram recebidos em audiência pelo Papa Bento XVI, na Sala Clementina do Palácio Apostólico Vaticano, às 12h (hora local).
Fellipe Soares
Da comunicação
Tradução de CN Notícias
Os novos recrutas da Guarda Suíça Pontifícia fizeram seu juramento na manhã desta sexta-feira, 6. Após a cerimônia, eles e seus familiares foram recebidos em audiência pelo Papa Bento XVI, na Sala Clementina do Palácio Apostólico Vaticano, às 12h (hora local).

O Papa expressou sua alegria por encontrar-se com os novos recrutas, que decidiram dedicar alguns anos da sua juventude ao serviço do Sucessor de Pedro. A presença dos pais e amigos, na opinião do Pontífice, expressa não somente os laços entre os católicos suíços e a Santa Sé, mas também o ensinamento, educação moral e bom exemplo, através dos quais é transmitido aos filhos a fé cristã e o sentido do serviço desinteressado.

O Santo Padre convidou todos os guardas, tanto recrutas quanto os que renovaram o próprio juramento, a pensar no rosto luminoso de Cristo, que chama a serem autênticos homens e verdadeiros cristãos, protagonistas da própria existência. “A sua paixão, morte e ressurreição são uma eloquente lembrança a afrontar com consciente maturidade os obstáculos e os desafios da vida. Somente Ele é a Verdade, o Caminho e a Vida. Ele deve se tornar, cada dia mais, o parâmetro da nossa vida e do nosso comportamento, assim como Ele escolheu a plena e total fidelidade à missão de salvação confiada a Si pelo Pai, como medida e fulcro da sua vida“.

Sobre o passado glorioso da Guarda, Bento XVI lembrou o famoso “Saque de Roma” – acontecimento no qual 147 guardas suíços deram a própria vida em defesa do Papa, em 6 de maio de 1527, de onde vem a tradição da data do juramento. No entanto, o Papa também fez um alerta sobre um outro tipo de “saque”, ao qual particularmente os jovens são ameaçados.

“A recordação daquele saque terreno deve fazer refletir que existe também a ameaça de um saque mais perigoso, aquele que podemos definir de espiritual. No atual contexto social, muitos jovens arriscam-se, de fato, a cair em um empobrecimento progressivo da alma, porque perseguem ideais e perspectivas de vida superficiais, que preenchem somente necessidades e exigências materiais”, salientou.

O Bispo de Roma convidou os novos guardas a desfrutarem da melhor maneira possível o tempo passado na cidade, rica de história, cultura e fé, oportunidade de ampliar os horizontes, especialmente o espiritual, bem como a ter uma vida exemplarmente cristã. Ele agradeceu aos novos recrutas pela escolha de colocar-se à disposição do Sucessor de Pedro por algum tempo, contribuindo para garantir a ordem necessária e a segurança no interior da Cidade do Vaticano. Da mesma forma, Bento XVI reconheceu o trabalho de todo o Corpo da Guarda Suíça, que possui, entre outras, a missão de acolher com cortesia e gentileza os peregrinos e visitantes no Vaticano.

“Queridos amigos, o vosso serviço é mais do que nunca útil para o tranquilo e seguro desenvolvimento da vida cotidiana e das manifestações espirituais e religiosas da Cidade do Vaticano. A vossa significativa presença no coração da cristandade, onde multidão de fiéis chegam sem parar para encontrar o Sucessor de Pedro e para visitar os túmulos dos Apóstolos, suscite sempre mais em cada um de vós o propósito de intensificar a dimensão espiritual da vida, bem como o compromisso em aprofundar a vossa fé cristã, testemunhando-a alegremente com uma coerente conduta de vida. Asseguro-vos a minha fervorosa oração e, de coração, concedo a vós e a quantos vos acompanham nesta singular circunstância a Bênção Apostólica”, finalizou.

- - -
Fonte: Canção Nova Notícias

Comentários

comentários

Compartilhe esta publicação

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no print
Compartilhar no email